domingo, setembro 03, 2006

Para uma querida amiga!

"Duas árvores não podem ser plantadas muito próximas... Porque, se assim o for, uma faz sombra para a outra e ambas, enfraquecidas, não conseguem se desenvolver".

Não sei onde li o que escrevi acima, nem sei como é que, na verdade, são colcadas as palavras no ditado. Mas, lindo é o sentido.

"Era uma vez duas árvores... foram plantadas próximas... mas, com o vento e as tempestades, aproximaram-se cada vez mais. O sol batia, mas a sombra de cada uma não permitia o crescimento da outra. E o que antes era visto com deslumbramento, passou a ser visto como perigo à sua integridade..."

Assim somos nós... Creio que não nos sentiremos bem, se não pudermos vivenciar momentos somente nossos. A solidão é, por vezes, o melhor remédio e a mais potente vitamina para a nossa vida.
Momentos a sós conosco e com o que gostamos de fazer, sem que, por isto, nos sintamos culpados, é uma das melhores formas de adquirirmos forças para seguir a batalha do dia-a-dia. Quando nos falta o sol, porque as sombras são constantes, perdemos o rumo e o prumo - não conseguimos reabastecer-nos de energias suficientes... nossos pensamentos ficam embotados, nossas palavras trancadas, nossa inspiração some... E nossas atitudes, em compasso de espera.
As flores não nascem. Os frutos deixam de existir. Porque, por não podermos "ser", não conseguimos "doar".
O nosso "ser para o outro" é diretamente proporcional à nossa vivência do "ser para nós mesmos". Não podemos amar, se não conseguimos tempo para "sermos e amarmos a quem somos". Não podemos "doar" se não tivermos tempo para "suprirmos nossas necessidades individuais". Há um peso exato para cada coisa. E uma não sobrevive, muito tempo, sem a outra. Não sobrevivemos sozinhos. Mas também não sobrevivemos sem a nossa individualidade.
Nossos problemas existem... precisamos olhar de frente para eles e estudarmos as consequências dos nossos atos. Precisamos olhar pra dentro de nós e para as pessoas que nos rodeiam, sempre buscando a conciliação do melhor passo a darmos.
Há um tempo para que tudo se amolde e consigamos superar os obstáculos - sejam eles quais forem. As soluções passam, impreterivelmente, pela dor, pelo sacrifício. Porque as experiências dolorosas também fazem parte da bagagem de vida. Nunca seremos completamente felizes. Sempre haverá aquilo que machuca, que dói - o problema que, no momento, nos parece tirar as forças. Mas, se temos fé, adquirimos a nobreza da persistência e do discernimento, na busca pelo crescimento e pela escolha do melhor caminho.
E digo-te:
- A vitória está em superarmos as tribulações com honra, verdade e integridade. Visando um caminho de paz, onde o sofrimento passado será visto, no futuro, como uma forma, pela qual, ficamos enriquecidos em experiências e fortalecidos como pessoas.

by Miriam, com um beijinho para esta amiga querida.

5 comentários:

Léia disse...

Miriam querida,
Cada vez mais me convenço ( e talvez já tenha dito isto por aqui), que "nada é por acaso".
Na vida conhecemos algumas pessoas que apenas passam e outras que fazem a diferença em determinados momentos, porque naquele exato momento precisávamos que elas estivessem ali, fazendo a diferença.Com certeza tu és uma delas.
Mesmo sabendo que a vida não é um mar de rosas, os espinhos nos machucam mais do que gostaríamos.Porém se para sentirmos o perfume precisamos também nos arranhar, que assim seja.
Pessoas como tu tornam a passagem mais fácil a medida que ajudam a iluminar o caminho.
Um grande beijo! Conte comigo sempre!

Sandra Daniela disse...

Bonita essa amizade!! que bom ver!

E é verdade na vida nada é fácil, temos sempre de ser fiel a nós próprios, ao nosso ser! E valorizar todas as nossas pequenas vitórias! K elas nos ensinam sempre algo!

um beijinho grande

su disse...

Todos os momentos t~em a sua validade, independentemente da aparente qualidade que se lhes possa atribuir. O momento disfarça-se do estado de alma que esta veste na altura...quando percorremos outra distância neste caminhar temporal e olhamos para trás a perspectiva diferente faz-nos assimilar as coisas de outro modo ou com outra consciência. Mas sabemos que tudo é necessário nas nossas vidas.
A bagagem de vida de que falas é essencial ser carregada e aberta de vez em quando nas alturas certas para verificarmos se de facto aprendemos com os erros ou apenas passamos pela vida de um modo indiferente...
Mas sermos nós mesmos e estar de bem com tudo é realmente uma grande vitória.
Haja luz nesse caminhar para todos.

Belíssimo texto, Miriam.
Um beijo aqui da Teia para vocês.

antonior disse...

A vida é assim mesmo e o teu pragmatismo, curiosa e paradoxalmente, muito sentimental.
Sublime visão...

Beijos

Nilson Barcelli disse...

Adorei o teu texto, Miriam.
Que subscrevo.
Beijos.