quinta-feira, dezembro 20, 2007

OS BOMBEIROS DA VIDIGUEIRA

Um fogo deflagrou num monte alentejano. Os bombeiros foram imediatamente chamados para extinguir as chamas. O fogo estava cada vez mais forte e os bombeiros não conseguiam dominar as chamas. A situação já estava a ficar fora de controle, quando alguém sugeriu que se chamasse o Grupo Voluntário da Vidigueira. Apesar de algumas dúvidas quanto às capacidades e equipamento dos voluntários, seria mais uma forma de auxílio.
Assim foi. Os voluntários chegaram num caminhão velho, desgastado pelos anos e operações de combate. Passaram em grande velocidade e dirigiram em linha reta para o centro do incêndio! Foram mesmo até o meio das chamas e pararam. Estupefata, a população assistiu a tudo. Os voluntários saltaram todos para fora do caminhão e começaram a pulverizar freneticamente em todos os sentidos. Como estavam mesmo no meio do fogo, as chamas dividiram-se e restaram duas porções facilmente controláveis.
Impressionado com o trabalho dos voluntários da Vidigueira, o dono do monte respirou de alívio, quando viu sua propriedade ser poupada à devastação das chamas. Na hora, pôs as mãos na carteira e passou imediatamente um cheque de 5000 euros à corporação voluntária. Um repórter do Jornal local perguntou logo ao comandante da corporação:
- 5000 euros! Já pensou o que vai fazer com o dinheiro?
- Penso que é óbvio, não é? Responde o comandante a sacudir a cinza do capacete... A primeira coisa que vamos fazer é arranjar a desgraça do freio desse caminhão!!!!!





by Miriam, num post para alegrar-nos.
FELIZ NATAL!!!!!!!!!!!!!!!!!!

sexta-feira, dezembro 14, 2007

Distância

Pois... Mais uma das que eu toquei. Particularmente, gosto mais em Português, mas não encontrei, também. Eis que quase não encontramos músicas antigas do Roberto pelo You Tube.
Eis... A Distância. Completando, de forma invertida, algumas das minhas músicas ao piano, ontem.

Para melhor entender, procurem ver o primeiro post do dia... sobre os Bee Gees.

Custe o que custar

Aqui, deixo a música que foi sucesso na voz de Roberto Carlos - Custe o que custar - interpretada por Sérgio Reis. Não encontrei com o Roberto. Se alguém encontrar, me enviem o endereço para que eu possa publicar.
E.... aí está!
Sérgio Reis - Custe o que custar -

WORDS



Estava eu a tocar piano, ontem, quando comecei a tocar esta música. O interessante neste fato é que eu, seguidamente, faço uma "sessão autor". Isto quer dizer... Há dias em que me apetece tocar um ou outro autor... e sigo na busca de cada uma das canções deste escolhido. Não há uma escolha intencional. Meu coração que dirige minha inspiração.
Ontem, a escolha recaiu em Roberto Carlos. Toquei "Custe o que custar " (no violão toco bem melhor), Distância, e alguma coisa a mais que não lembro agora. Mas, de repente, dou-me conta que estou tocando Words - Bee Gees. Pois... eis um fato que difere do meu hábito.
Resolvi, então, buscar no You Tube a canção e aqui colocar.
Para vocês, um dos grupos que mais lembro, canto, toco e gosto, do tempo da minha junventude.
WORDS.

by Miriam - num post um tanto pessoal, um tanto impessoal

sexta-feira, dezembro 07, 2007

Amor, amizade, solidariedade...

Luiz Maia

Todos os dias eu choro. Às vezes porque bate uma tristeza por aquilo que fiz errado e que bem poderia ter sido diferente. Mas não me lembro do dia em que chorei de dor, e eu sinto dores diariamente. Mas não choro de dor. Mas sim, pelo que fiz de errado. Não me canso de pedir a Deus perdão pelos erros cometidos. Aproveito agora e peço perdão aos amigos que um dia se sentiram magoados comigo. Até mesmo por uma palavra não dita no momento que deveria ter sido dita. Chama-se a isso de omissão.

Mas choro também, e muito, agradecendo a Deus pelas graças que me são por Ele derramadas diariamente. E são inúmeras! Agradeço à vida, aos amigos, ao dia, à saúde, ao alimento, ao lar, à família e a todas as coisas maravilhosas que surgem na minha vida. Agradeço a Deus até pela dor que sinto, pois me serve como parâmetro de como sou fraco, pequeno e limitado. Mas não choro na dor.

Choro com certa freqüência pela amizade desfeita de forma estúpida. Ou pela amizade que não soube fazer. Choro por ter tão poucos amigos - ou por aqueles que nunca os tive. Meu choro é de inconformismo diante da minha insignificância, e bem sei que poderia ser minimizada. Choro pelas amizades lindas que nunca se completaram. Choro pelo amigo que pensei ser e que nunca fui. Choro por tudo que um dia quis ser e nunca fui. E choro por tudo que sou.

Amar é bom e amar me faz chorar. Amo desmedidamente a vida. Amo sem reservas as pessoas com a mesma facilidade com que um dia terei de perdoá-las. E saber perdoar é tão difícil quanto a ingrata tarefa de aprender a ter paciência. Peço aos amigos paciência comigo já que terei de aprender a ter paciência para com os outros. Paciência é ter que ouvir um desabafo em forma de prece. Ou uma prece em forma de desabafo.

Choro quando um dia não fui solidário com quem precisava. Ou quando tantas vezes ignorei a dor alheia, adubando e fortalecendo ainda mais o meu insólito egoísmo. Quantas vezes ri na minha arrogância, na minha enorme ignorância, quando pensei um dia ser forte, sábio e detentor de qualidades superiores aos demais. Justo aí que eu devia mais chorar, nunca o fiz. Hoje choro as misérias e as dores do mundo. Hoje sou solidário à dor alheia, mas de pouco isso vale. Gostaria de ser solidário de forma concreta, efetiva, mesmo em doses homeopáticas. Cansei da solidariedade teórica porquanto nada produz de fato.

Já perdi a conta das vezes em que chorei diante da minha amada. Nada mais maravilhoso que poder contemplá-la dormindo - e aí não tem como não chorar. E choro ao vê-la sorrindo um riso maroto para mim. O choro de quem contempla a mulher amada é choro de fortes. E saber que um dia pensei que chorar era coisa de mulher, de gente fraca...

Para concluir, devo dizer que demorei a escrever enquanto chorava. Claro que muitos poderão pensar que sou feito de choro ou mesmo que faço a "declaração de um fraco". Não pense assim quem assim chegou a pensar. A verdade é que existe em mim uma criança linda querendo aflorar. Ou aquele velho triste, cansado de nunca ter sido escutado.

http://br.geocities.com/escritorluizmaia/

Autor dos livros "Veredas de uma vida", "Sem limites para amar", "Cânticos" e "À flor da pele". Recife-PE.

"Não entendo a vida sem os gestos de carinho entre pessoas que se querem bem, muito menos sem as necessárias atitudes e ações solidárias vindas até mesmo de pessoas que nunca se viram antes."
(Luiz Maia)

terça-feira, dezembro 04, 2007